quarta-feira, julho 13, 2016

queda que não cessa

O peso oscilante que assombra intermináveis noites de procura/ N'outro dia, o amanhecer desperto, tenro, bonito se faz em ruptura/ O peso, desta vez, iluminado/ O peso iluminado ainda assim assombra / Quero cair mais que posso / Nunca a chegar à leveza, só superfície/ O peso é menos denso que o superficial/ O peso é matéria gravitacional.

Nenhum comentário: