domingo, dezembro 06, 2015

Somatização

Dentro da lógica das imperfeições do mundo, é preciso entender que entre o afeto existente no limiar de nossas presenças há um perigo, um receio. É daí que surgem as dúvidas entre os conceitos de causa e sintoma. Tendemos a acreditar que somos as causas dos acontecimentos. O "eu" é tão grande que só pode ser causa. No entanto, no sentido integral, somos senão sintomas: como uma doença que se manifesta aparentemente sem propósitos, mas há vários deles - os quais passamos a vida buscando.
Então, nas relações, tendemos a achar que somos causa. Não somos. Somos sintomas, doenças sobrepostas em busca de cura na própria enfermidade. É o avesso do avesso de São Paulo na música de Caetano. Vaguemos.

Nenhum comentário: