segunda-feira, agosto 24, 2015

o processo como finalidade

ao entender os meios, os fins passam a ser inotórios - justificativa para o processo. Há ânsia pelo futuro, algo está por fim, aquilo que se quer muito atingir. Toda a vida depende disso. Todas as relações dependem disso: o prazer. Nasci com isso. Mas não sei se vou morrer assim.
Os velhos não têm futuro. Eles têm premonições, várias. Jamais futuro. A premonição é um tipo de existência que não pode se concretizar em nosso plano material, no presente - mas só em um futuro próximo. Os velhos não sofrem. Existem, invisíveis, sem projetar. Eles arrumaram formas de driblar as pulsões humanas. A frustração tem tudo a ver com essa coisa de se projetar. É aquilo de se imaginar daqui há dez anos bem-sucedido, realizações alcançadas, um amor-romântico idealmente concretizado, "A Cartilha".
Beauvoir escreveu que existem imaginários distintos sobre o velho. Um ligado a deterioração, aprisionado num corpo velho, um espírito de que poderia servir? Inútil.. O segundo relacionado a ideia de sábio, cultivado principalmente em culturas orientais, indígenas etc - leia-se não capitalista ocidental pós-moderna. Esse adjetivo sábio tem a ver com o acúmulo das experiências, porém a sabedoria vem também da ligação com o outro plano.  A alma começa a despregar do corpo. Os velhos são presos por cada vez menos fios de Hades. O entendimento não é mais terreno, é outro. Não compreendemos pois somos estritamente materiais, não só no sentido capitalista da palavra, mas em relação as nossas vivências. Essa fissura pelo fim, por chegar a alguma finalidade sem entender o processo. Poderia dizer que compreendemos no sentido intelectual mas não de fato. O entendimento intelectual é a camada mais superficial da mente. É isso que os vividos têm em contrapartida, eles experienciaram e arquivaram o aprendizado no insconsciente.
Os velhos que estão próximos do "fim" não têm fissura pela morte e tão pouco se importam em morrer. Não esperam. Que maldade ter tamanho entendimento somente no final da vida. do que? pra que adianta? É sobre o que mais eles se arrependem. "Ter a cabeça de velho quando jovem". O corpo como prisão. A mente, liberdade. Com quantas rugas se faz leveza? Um amigo me disse que um amigo lhe disse: "A alma pesa apenas 21g". Se é verdade ou não, curto muito essas lendas filosóficas.

Nenhum comentário: