sábado, agosto 16, 2014

sobre a tal mania de ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Sou uma relativista, não sei se isso significa coisa boa nesse mundo tão cheio de certezas - é impossível, para mim, compreender visões tão absolutas. Ok, não com todas as coisas, mas com a maioria delas. Afinal, o contexto, a cultura, a vivência influenciam e muito.

A política, por exemplo, é algo digno de relativismo; sendo assim, questionador. Não existem "verdades absolutas" na política, e muito me incomoda os extremos. Quando beira o radicalismo, política se torna religião. Já se sabe o sermão de cor de cada partido. Cada um defende como pode e se esquece do que está em jogo: o governo. Gostaria tanto de ter opiniões convictas como alguns amigos, creio que a felicidade viria fácil, no entanto, acho impossível decretar certezas nesse mundo tão incerto (por falta de vocabulário, ou palavra melhor).

Senão a política, a própria religião. Como provar que Deus existe? Ou não provar? E para que convencer um outro, a não ser que você seja um pastor da igreja universal que cobra dízimos.. Qual será essa necessidade que temos de tentar convencer os outros de que estamos certos, e de que existe apenas uma verdade? De onde vem esse desejo louco? Estamos todos certos! Menos Hitler, ou Feliciano, ou o personagem do Leonardo Di Caprio em Django...  Outra vez conversei com uma moça evangélica, contei-lhe que percebia todas religiões como parte de uma mesma coisa para um só caminho. Ela riu, e disse que tem umas que são muito "fantasiosas". Então, falou do hinduísmo, com os deuses em forma de bichos, etc. Dalí a pouco estávamos discutindo darwinismo. E ela me falou: "Você acredita mesmo que viemos do macaco?", respondi: "Acho que é menos fantasioso do que vir do barro, não?", ela ficou perplexa.

A arte do relativismo paira entre a ignorância e a sapiência, a diferença é que um ignorante relativista para e e escuta, e o ignorante absoluto já está cheio de (in)certezas.

Um comentário:

FRANK JOSEPH disse...

muito interessante...
gostei!