sexta-feira, junho 27, 2014

sem identidade

foto: bárbara c.
Longo hiato distante do meu caderninho virtual. Muitos ventos passaram e pessoas, e afazeres, e tantas coisas. É sempre difícil recomeçar uma história, ainda mais quando nos sentimos tão sós ( ? ). sempre fui só, na verdade, todo mundo né? Parece que a solidão é algo inerente a existência - deveria ser ensinamento escolar: Aula de solidão: Ementa: Como ser só no mundo? Por que os outros não sou eu? Um caminho para solitude. Cada dia percebo que o incômodo não é por o estar só, mas estar consigo mesmo. Encarar verdades impróprias ao seu respeito, sem direito a autopiedade, afinal, vai fingir para quem?

Não dá tristeza, é espécie de nostalgia. Acho mesmo que nascemos completos, acontece é que sobra. Sobra vaidade. Sobra inseguraça e insensatez. Maturidade é apagar esses "restos" e viver no essencial. Solitude, agora sim.

Nenhum comentário: