domingo, julho 14, 2013

Coxinha Vegana

Acho tão engraçado esse negócio de ser coxinha. Do alto dos all stars customizados, acusa-se :
- coxinha! coxinha! - eu não tenho problemas com esse salgado popular, diga-se o mais gostoso das festas infantis. Denominar alguém como "coxinha" me parece um pouco gorduroso demais para rotular pessoas. E outra, se tem uma conotação ruim, por que não croquete? Croquete tem muito mais aptidão para ser algo de mau gosto do que uma coxinha deliciosamente recheada de catupiry.

Essa expressão paulistana povoou o vocabulário brasileiro e agora serve para denominar certo grupo social - e eu achava que essa época já tinha sido diluída pela tão famosa globalização - que permite até mesmos os coxinhas a gostarem de música indie. Pode isso Arnaldo? Tem até análise sociológica para o termo. Aparentemente, os coxinhas são os novos maurícios. Pessoas não satisfeitas com a ascensão da classe C para a nova classe média, por isso a necessidade de diferenciação e o individualismo exacerbado.

Cabelos bem penteados. Expressões como "whatever". Camisa polo. Papos chatos. Boa mocice. Corretos demais. Palavrões, deus os livre. Citações de Clarice Lispector. Valores familiares. Concurso Público. Viagem para o Caribe no fim do mês.

Agora,  quem cunhou o apelido coxinha também pertence a um setor das "novas tribos". E já sofre de individualismo exarcebado e alta necessidade de diferenciação já por inventar termos segregatórios nessa complexa rede que chamamos de sociedade. Se não somos coxinhas, somos pseudocults, indie, hipsters,  artistinhas desolados. Pessoas de barbas e franjas que adoram um xadrez - xadrez está em baixa porque já virou mainstream - pessoas de barbas e franjinhas que adoram estampas "cools". Meninas que sofrem de carência afetiva e postam a cada semana uma banda do leste europeu no facebook.

Tattoos. Cinema alternativo. Ruivisse. Barba. Barba. Barba. Armações estilosas. Coletivos. Arte - mesmo que não se entenda o propósito delas. Citações de hemingway, woody e almodovar e bandas indie. 

A etiqueta é clara. Conversas alternativas e nomes esquisitos. Não seríamos a coxinha do baile undergroud? A coxinha vegana! Somos a coxinha free glutén.

2 comentários:

Anônimo disse...

Gosto da variedade de conteúdo(sempre de qualidade)da página. Continue escrevendo!

Bárbara Cabral disse...

obrigada anônimo =)