sexta-feira, junho 07, 2013

curtíssimas

Carla é uma menina de cabelos curtos e pensamentos longos. Pelos fios ainda milimetrados, não passavam nada além de dedos vis. A cada corte, um centímetro, um dedo, um cara - mas os resquícios sempre ficaram alí, entre os vincos da cabeceira. Ela correu. Foi para um estado de espírito que só alucinógenos conseguem absorver. Níveis de realidade além da nossa. "Hiperrealismo é para os fortes", disse. Continua a cortar fios. Laços, jamais.

Rodolfo e Beatriz saíram pela primeira vez num encontro às avessas. Ela convidou. Ele recebeu. Ela bebe whisky. Ele cosmopolitan. Ela perdura. Ele desiste. Ela quer cama. Ele tristeza. Ela foge. Ele desafia. Ela usa sapatos. Ele vestidos. Em uma espécie de contradições, se encontraram num bar da esquina da 407 norte, mesmo não tendo esquinas na cidade foi lá que se conversaram. Aquele encontro às cegas era mais do que bate-papo, aquilo alí era troca cotidiana. Sentaram-se. Algumas horas depois,  nunca mais foram vistos. Pelo menos, não eles, eles como são. Sabe a história do rio que nunca é o mesmo porque já foi tocado?

Nenhum comentário: