sábado, novembro 13, 2010

Pelos entes

Tinha planejado o suicídio.
Dia perfeito: Brasília conseguia ser mais depressiva que Londres
Muitas drogas, mas uma só faca era suficiente. Não queria sentir dor, entretanto gostava do vermelho do sangue. Era preciso várias pílulas e depois um corte profundo no meio da garganta.
Comeu o último chocolate meio amargo da casa.
Deitou.
Morreria em breve, logo viraria película, ou melhor: imagem digital em alta definição.
Quem morre bonito vira filme ou história que se conta de boca a boca.
Por instante se compadeceu. Pensou nos amigos, na família.. quanta dor, quanta dor os entes sentiriam.
Desistiu por solidariedade humana.
Compaixão salva vidas.

5 comentários:

Ana Paula Lisboa disse...

seus textos estão ótimos! mas tristes. Espero q ñ sejam baseados em vc. bejoos

Bárbara Cabral disse...

obrigada!
baseado em alguns aspectos d'alma, não necessariamente da minha..

Bella disse...

triste...feitos pra pensar...ótimos textos.

Fumico disse...

Hã! Nada de pílulas, mocinha!
Já basta o Michael Jackson!

Bárbara Cabral disse...

foi o michael que escreveu isso aí. hahahahaha