quarta-feira, abril 21, 2010

Carta de Brasília

E tem gente por aí dizendo que sou uma senhora. Senhora nada. Estou na flor da idade. 5.0, pronta para mais 50 com muitos agitos,rocks e diversão.
Sou apenas uma adolescente, não me peçam para ter maturidade suficiente, sou apenas uma jovem perto de todas as minhas irmãs.
Meu pai me planejou rápido demais, mesmo assim sou foda, sou eu quem mando nessa baderna toda. Sou eu quem digo quem faz e quem não faz. Sou eu quem tenho os olhos mais azuis de todos, e o corpo mais bonito.
Retas,curvas,retas, sou obra de arte imensa e branca. Sou limpa e serena.
Gosto de cultura e política. Estudei na única universidade dita como autônoma do país. Passei por maus bocados, aqueles que diziam ser meus tutores me calaram, trataram-me como rebelde que sou.
Curto um rock e faço rock, sou libertina.
Não sou perfeita, quem é?
Eu te aceito, pode vir eu aceito o seu sotaque. Eu misturo os meus amigos, eu misturo todos e eles acabam virando um tipo só, os chamo de candangos.
Respeito a faixa de pedestre, tenho educação. Não tenho mar por perto, mas a piscina serve nos dias de calor.
Andaram abusando da minha boa vontade, roubaram-me, enganaram-me. Fiquei com má fama.
Não tenho culpa da ambição dos homens. Os homens que me maltratam e acabo sendo como uma protituta dos seus desejos, do seu dinheiro, das suas cuecas.
Meus filhos sabem que só os quero bem, é só o que eu quero.

Brasília, 21 de abril de 2010.

Um comentário:

Minny.na Cabeça disse...

De muito bom gosto! Adorei o texto e as ligações corretas com o tempo de Brasília.... O ceu abre de Brasília acolhe quem chegar...fui acolhida e me sinto bem, essas curvas acolhem a gente.